A Importância da Higienização e Assepsia no Chopp
Última atualização:

A Importância da Higienização e Assepsia no Chopp

O mestre cervejeiro leva vários anos refinando e aperfeiçoando sua criação até chegar na fórmula ideal. Todo esse trabalho na qualidade e no sabor desse chopp podem ser facilmente arruinados: o chopp que sai do barril pode ser contaminado dentro da chopeira em questão de segundos, saindo pela torneira já alterado. É fundamental a manutenção e higienização da chopeira periodicamente para garantir o servir de um excelente chopp.

Os fabricantes de chopp sabem da importância da limpeza adequada e do impacto que ela tem em seus produtos, reputação e vendas. A maioria das cervejarias publica procedimentos e cronogramas de limpeza das linhas e tanques de cerveja dentro de suas políticas de garantia de qualidade. Essas políticas são monitoradas e aplicadas também aos distribuidores autorizados e revendedores.

Dentro da chopeira, os contaminantes do chopp são:

Bactérias
Podem surgir pelo contato manual indevido com partes internas da chopeira. A grande maioria das bactérias encontradas no chopp não são significativamente perigosas para a saúde humana; no entanto, seu efeito é perceptível na aparência, aroma e sabor do chopp. A presença de bactérias resulta em uma aparência turva que torna o chopp pouco atraente. Um chopp com sabor azedo, cheiro de vinagre ou de ovo podre pode indicar que uma máquina de chopp está contaminado com bactérias.

Fungos
Leveduras podem já existir em pequena quantidade vinda do processo de fabricação do chopp. Mofo e bolores podem surgir por esporos transportados pelo vento. É geralmente encontrada nos componentes da choperia que ficam expostos ao ambiente externo, como torneiras, cantos de mangueiras, acopladores de barris e drenos, e podem ser reconhecidas pela sua cor branca, cinza, marrom ou preta.

Pedra de cerveja
As matérias-primas, grãos e água utilizados no processo de fermentação contêm cálcio e magnésio. Ácidos oxálicos e sais estão presentes no lúpulo e podem ser criados durante o processo de malteação da cevada. A combinação desses ingredientes e o fato de que o chopp é dispensado em temperaturas frias pode resultar em depósitos de sólidos conhecidos como Beerstone. A “pedra de cerveja” irá acumular-se e eventualmente descamar no interior dos tubos se o sistema não for mantido adequadamente, dando aquela coloração amarelada as mangueiras e superfícies internas. Quando maiores tem aparência de flocos na cor cinza ou marrom acastanhado.

Higienização e Assepcia

Assepsia da Chopeira é um processo de limpeza da tubulação interna por onde passa o chopp, do barril até a torneira. É utilizado um tanque com auxílio de uma bomba que faz a recirculação do produto de limpeza ácido ou alcalino que tem por função eliminar todos os microrganismos e substancias que ali ficam acumulados durante o uso do equipamento. Limpadores alcalinos (cáusticos) atacam e dissolvem proteínas, carboidratos, resinas de lúpulo e biofilmes, também são muito eficazes em matar fungos, bactérias e leveduras. Limpadores de linha de ácido dissolvem minerais que são comumente referidos como pedra de cerveja.

Período entre Limpezas

O ideal é que as chopeiras sejam limpas 2 vezes por mês. Em alguns casos pode-se tolerar uma única limpeza mensal com cuidados adicionais:

  • Monitorar a qualidade do chopp pelo sabor, aroma, espuma e cor.
  • Evitar o contato manual com as partes internas, principalmente a ponta da torneira e o acoplador de barril.
  • Não deixar chopp parado dentro do equipamento desligado ou sem uso. Fazer purga com água limpa e soprar com CO2 até secar.
A Importância do Suporte
Última atualização:

A Importância do Suporte

O colapso de um suporte de ar condicionado, além do risco de acidente fatal, causa estrago em toda a instalação e ainda pode resultar em perda total da unidade externa. Este incomodo só pode ser evitado durante a instalação de ar condicionado split, se for utilizado o material correto para suportação da unidade externa nas condições especificas do ambiente.

Os materiais mais utilizados para suporte são: aço carbono pintado, plástico, alumínio, fibra de vidro e aço inoxidável.

Aço Carbono Pintado

Os suportes feitos em aço são os mais comuns, possuem boa resistência mecânica, baixo custo e são pesados. Este suporte é suscetível a corrosão, tendo como proteção apenas a pintura externa, que deve ser de epóxi e estar em boas condições. Os suportes em aço são recomendados em locais secos, abrigados da chuva, umidade e maresia. Precisam ser inspecionados com regularidade e eventualmente são substituídos.

Plástico

Os suportes de plástico são leves, possuem capacidade de carga reduzida e são os mais baratos. O plástico é suscetível a degradação por raios solares, devido a radiação ultravioleta, tornando-se quebradiço e esbranquiçado. Os suportes de plásticos são recomendados em locais úmidos, desde que protegidos da exposição solar direta. Assim como os suportes de aço, os suportes de plástico também precisam ser inspecionados com regularidade e eventualmente são substituídos.

Fibra de Vidro

Suportes em fibra de vidro possuem características superiores ao de plástico, possuindo resistência maior a raios solares e custando o dobro do preço. A fibra de vidro é imune a corrosão. Possui vida útil superior quando comparado aos suportes de plástico e aço, mas são mais caros. Podem ser utilizados até o fim da vida útil da unidade.

Alumínio

Os suportes em alumínio são leves e possuem boa resistência a corrosão. Custam mais caro que os suportes de fibra de vidro, sendo imunes a ação de raios solares. Possuem uma vida útil superior ao aço, plástico e fibra de vidro, podendo ser reutilizados ao fim da vida útil da unidade.

Aço Inoxidável

Os suportes em aço inoxidável são pesados e possuem custo elevado. Podem ser utilizados em qualquer condição externa e são recomendados em instalações definitivas de difícil acesso em alturas elevadas. Para evitar a corrosão galvânica, somente parafusos, porcas e arruelas de aço inox devem ser utilizadas. Não precisam ser substituídos e podem ser reutilizados em outras instalações.

Comparativo

Na tabela abaixo é feito um comparativo entre os materiais:

Materiais Corrosão Exposição Solar Vida Útil Custo
Aço Baixa Resistência Inune 1 a 3 anos $
Plastico Imune Baixa Resistência 1 a 3 anos $
Fibra de Vidro Imune Média Resistência 2 a 5 anos $$
Alumínio Média Resistência Imune Mais de 5 anos $$$
Aço Inox Alta Resistência Imune Mais de 10 anos $$$$$
NBR 5858 Calculo Simplificado de Carga Térmica
Última atualização:

NBR 5858 Calculo Simplificado de Carga Térmica

A UltraService apresenta com exclusividade o Calculo Simplificado de Carga Térmica em formato calculadora para ser preenchido online, seguindo a norma brasileira NBR 5858-1983. A obtenção dos valores e a interpretação dos resultados devem ser feitos por profissional qualificado e capacitado, sendo deste a inteira responsabilidade.

O mapa alternativo ao Anexo B de Fator Geográfico pode ser baixado aqui: Mapa de Fator Geografico UltraService

Página 10 da NBR 5858-1983:

7.1 Formulário – Instruções

7.1.1. Este formulário é utilizado para estimar a carga térmica de conforto nas instalações de condicionadores de ar, que não requeiram condições especificas de temperatura e umidade, tais como salas de estar, dormitório, escritórios ou restaurantes.

7.1.2 Os seus fatores são baseados nas temperaturas externas de bulbo seco 38°C e bulbo úmido 34°C. O formulário pode ser usado nas diversas localidades do território nacional, aplicando-se o coeficiente de correção para o local em particular, obtido no mapa (Anexo B).

7.1.3 Na utilização do formulário, recomenda-se preparar um croqui do ambiente a ser condicionado, mostrando as dimensões do ambiente, janelas, portas e outros elementos que possam influir na carga térmica, indicando ainda a direção norte-sul.

Onde Instalar a Unidade Interna?
Última atualização:

Onde Instalar a Unidade Interna?

A unidade interna, conhecida também como evaporadora, é a parte do ar condicionado split que ficará instalada dentro do ambiente que se deseja climatizar. Escolher o local ideal para instalação é fundamental para um bom desempenho da unidade. Veja abaixo alguns critérios essenciais para uma boa instalação:

Posicionamento

O local escolhido deverá estar o mais alinhado possível em relação ao centro da sala, deste modo ocorrerá um distribuição mais uniforme do fluxo de ar, evitando assim a presença de partes quentes e frias no mesmo ambiente. O fluxo de ar das entradas e saídas devem estar livre, sem obstruções. Não instalar em locais que possam ter poeiras, gases inflamáveis e vapores d’água.

A altura recomenda da evaporadora é sempre acima de 2 metros. A unidade deverá ficar nivelada usando como referencia um nível de bolha.

Durante o tempo de uso do ar condicionado, poderá ocorrer a qualquer momento um eventual gotejamento devido a condensação de água. Então é recomendável que o espaço logo abaixo da evaporadora esteja desocupado, isto é, sem qualquer mobilia ou aparelhos eletrônicos.

Antes de furar a parede, levar em consideração a presença infraestrutura já presente embutidas em alvenaria como: canos d’água e conduítes elétricos.

Infraestrutura

É obrigatório pela norma NBR 5410 a presença de uma tomada de uso especifica, conhecida como TUE, para ligação do ar condicionado. Essa tomada deverá estar ligada a um circuito elétrico exclusivo com seu próprio disjuntor, dimensionado especialmente para atender a carga do ar condicionado.

A unidade precisa de um ponto de drenagem próximo para que a água de condensado possa ser descartada. Para evitar odores, não é recomendável a ligação direta a tubulação de esgoto.

Não se esqueça do seu CFTV
Última atualização:

Não se esqueça do seu CFTV

Alguns clientes se esquecem de seus sistemas de CFTV, vindo a descobrir tarde de mais que alguma câmera ou o próprio gravador não estava funcionando corretamente. Geralmente esta situação é descoberta no momento de maior necessidade da gravação. A melhor solução contra surpresas é a manutenção preventiva, realizada no mínimo uma vez por ano.

Disco Rígido

O disco rígido é um dispositivo eletromecânico, sendo afetado pela temperatura, vibração e flutuações na tensão de alimentação. Temperaturas acima de 40ºC e o uso de HDs “comuns” em aplicações de CFTV são o fator mais significativo para uma falha precoce. Para saber mais, leia nosso artigo: A Importância do HD em CFTV.

Condições Ambientais

As câmeras expostas em área externa podem sofrer danos pela exposição solar ou umidade. Selos, parafusos e prensa cabos frouxos podem permitir a entrada de água no involucro da câmera. A incidência de raios ultravioleta degradam a pintura e as peças compostas por plástico. Poluição e partículas associadas a água da chuva podem vir a sujar a lente da câmeras, reduzindo a qualidade geral da imagem.

Fonte de Alimentação

As câmeras normalmente utilizadas possuem uma tensão de alimentação na ordem de 12V ou 24V, sendo que a tipicamente a tolerância máxima é de ±10% do valor nominal. Flutuações de tensão para cima causam um aumento na geração de calor nos circuitos, reduzindo a vida útil. Já as flutuações para baixo resultam em uma imagem de qualidade inferior, aumento da corrente e possibilidade da câmera vir a se desligar durante a noite por causa dos uso da iluminação infravermelho.

Nobreaks e UPS

As fontes de alimentação ininterrupta devem ser testadas regularmente. As baterias com o tempo perdem sua capacidade de carga, resultando em uma redução da autonomia do sistema. Em caso de falha, há a possibilidade de aquecimento, fogo, fumaça e/ou vazamento de eletrólito. Durante a substituição, não é recomendável misturar baterias novas com velhas.

 

Alarme Monitorado ou Convencional?
Última atualização:

Alarme Monitorado ou Convencional?

O alarme antifurto tem como objetivo prevenir ou inibir que pessoas não autorizadas entrem em determinada área e horário. É composto pelos seguintes componentes: central de alarme, sensor de presença, sirene, botão de pânico e bateria. O alarme monitorado e o convencional possuem os mesmos componentes, tendo como diferença a tratativa após o disparo.
[column size=”one-third”]

[/column][column size=”two-third” last=”true”]

Convencional

No método convencional o alarme, quando disparado, está programado para discar até 6 números telefônicos previamente escolhidos pelo cliente. É recomendável que além do número celular do cliente, deve-se discar também os números telefônicos de parentes e amigos de confiança. Deixar claro que devem retornar a ligação para perguntar sobre as causas do disparo, tomando providencias caso necessário.[/column]

Monitorado

O conceito de monitoramento eletrônico é o envio de um sinal, por linha telefônica ou rede de celular, a uma empresa de monitoramento 24 horas quando ocorrer o disparo do alarme. A empresa irá ligar para o telefone do cliente e poderá ir presencialmente ao local para verificar a situação, podendo assim chamar a polícia se confirmada a invasão.
Como desvantagem desta solução, o cliente deverá contratar uma empresa de monitoramento que cobrará um valor mensal pela manutenção do serviço.

O que é CFTV?
Última atualização:

O que é CFTV?

É uma sigla que significa: Circuito Fechado de Televisão, também conhecido como CCTV do inglês: Closed-Circuit Televison. É o uso de câmeras para transmitir e gravar vídeo de um local específico com exibição restrita a alguns monitores. Diferente da televisão aberta pública, a transmissão do CFTV é privativa e limitada a pessoas autorizadas, por isto o nome Circuito Fechado.

Este sistema é aplicado para vigilância em áreas que precisem de monitoramento constante, sendo de grande auxílio na prevenção e controle da segurança patrimonial e pessoal. Entre as diversas aplicações, as principais são:

  • Prevenção da criminalidade
  • Monitoramento de estacionamentos
  • Detecção de movimento e presença humana
  • Auxílio aos sistemas de alarme antifurto
  • Gravação de unidades industriais e plantas de processo

Câmeras Analógicas

No Brasil o tipo de câmera predominante é a analógica. O sinal é transmitido por cabo coaxial blindado. O sistema de cores empregado é tanto o NTSC quanto PAL. As diferenças entre eles são:

Comparativo NTSC PAL
Abreviação National Television System Committee Phase Alternation by Line
Linhas 525 625
Quadros por Segundo 30 25
Resolução Máxima 640 x 480 768 x 576

O sistema de cores PAL possui mais linhas e melhor estabilidade de cores, resultando em uma imagem superior. O NTSC tem como única vantagem possuir mais quadros por segundo. A UltraService recomenda o sistema PAL para câmeras analógicas.

Câmera IP

A sigla IP vem do inglês: Internet Protocol. É um tipo digital de câmera capaz de receber e transmitir dados por rede local de computadores (LAN) ou pela internet (WAN). O sinal é transmitido por par traçado utilizando cabo UTP ou STP quando se necessita de blindagem. A qualidade da imagem é superior às analógicas, sendo 720p (HD) a qualidade mínima do sensor. Há no mercado dois protocolos, ONVIF do inglês: Open Network Video Interface Forum e PSIA do inglês: Physical Security Interoperability Alliance. No Brasil e no Mundo o ONVIF é o protocolo mais utilizado.

O que é Condensadora e Evaporadora?
Última atualização:

O que é Condensadora e Evaporadora?

Os aparelhos de ar condicionado do tipo split são divididos em duas partes: condensadora e evaporadora.

Os splits ganharam sua popularidade pelas vantagens que esta divisão proporciona durante o uso e instalação. Quando são comparados aos aparelhos de ar condicionado de janela comuns, os chamados ACJ, que contém a condensadora e a evaporadora integrados em um único conjunto, os splits apresentam as seguintes vantagens: sistema modular, redução de peso, baixo ruído durante operação, facilidade em trocar os filtros, instalação sem quebra de parede, entre outras.

Diferente do pensamento popular, não existe um “gerador de frio”. O conforto térmico que os aparelhos de ar condicionado proporcionam vem da transferência de calor, de dentro do ambiente para fora.

Todos os sistemas de ar condicionado usam o ciclo frigorígeno, necessitando de no mínimo dois trocadores de calor. Em ambos os trocadores, o fluido refrigerante circula continuamente entre eles, sendo que um deles ganha e outro perde calor. Desta forma temos uma bomba de calor, capaz de transferir o calor de um ponto para outro. Em outras palavras, um lado será frio e o outro quente, o lado frio transfere seu calor para o lado quente.

Condensadora

Condensadora

Conhecida também como unidade externa, a condensadora é instalada sempre do lado de fora do ambiente climatizado.

É composta por: compressor, trocador de calor e ventilador.

Pela tomada de entrada ela recebe o fluido refrigerante que vem da evaporadora em estado gasoso de baixa pressão que é enviado ao compressor. O compressor tem como função comprimir o fluido refrigerante que pressurizado aumenta sua temperatura. Apos comprimido o fluido passa pelo trocador de calor da condensadora onde é resfriado a ar por ventilação com o ar externo, o fluido refrigerante perde calor e se torna líquido, em outras palavras ele “condensa”. O fluido sai da condensadora pela tomada de saída em estado liquido e alta pressão até a evaporadora.

Saiba mais sobre os cuidados na instalação da condensadora em: Onde Instalar a Unidade Externa.

Evaporadora

EvaporadoraTambém conhecida como unidade interna, a condensadora é instalada dentro do ambiente que se deseja climatizar.

É composta por: válvula de expansão, trocador de calor, ventilador, filtro, placa eletrônica de comando e controle remoto.

O fluido refrigerante pressurizado, que vem da condensadora em estado líquido, é enviado a válvula de expansão que reduz sua pressão. Com sua pressão reduzida o fluido refrigerante passa pelo trocador de calor que perdendo calor retorna ao estado gasoso. O fluido sai da evaporadora em estado gasoso e em baixa pressão retornado a condensadora.

Saiba mais a respeito dos cuidados na instalação da evaporadora em: Onde Instalar a Unidade Interna.

A Importância do HD em CFTV
Última atualização:

A Importância do HD em CFTV

O disco rígido, conhecido também como HD, do inglês Hard Drive, é o componente mais critico do sistema de CFTV. A seleção de um HD depende de uma série de considerações cruciais, inclusive o tipo de carga de trabalho, os requisitos de capacidade, as necessidades de desempenho e as preocupações com a confiabilidade. No caso de aplicações de vídeo e vigilância, essas considerações são especialmente importantes para assegurar o alto desempenho e a durabilidade do sistema.

Carga de Trabalho e Confiabilidade

Os HDs comuns usados em computadores são projetados para operação de 8 horas por dia e 6 dias por semana. Diferente de um sistema de CFTV que trabalha continuamente, gravando 24 horas por dia e 7 dias por semana. O uso destes HDs comuns em DVR/NVR resultam em uma redução da vida útil com aumento da probabilidade de falha. A falha resultará em perda de toda a gravação já realizada e irá incapacitar o DVR/NVR que não poderá gravar mais nada.

Capacidade de Gravação

O sistema de CFTV irá sobrescrever os dados do HD quando o mesmo ficar cheio. Dependendo da quantidade de câmeras e sua qualidade de imagem, a gravação poderá durar meses, semanas ou apenas algumas horas.

Marcas Recomendadas

O mercado dispõe de HDs especiais para uso em CFTV, entre eles podemos citar:

  • Western Digital Purple
  • Seagate Surveillance
  • HGST CinemaStar