Não se esqueça do seu CFTV
Última atualização:

Não se esqueça do seu CFTV

Alguns clientes se esquecem de seus sistemas de CFTV, vindo a descobrir tarde de mais que alguma câmera ou o próprio gravador não estava funcionando corretamente. Geralmente esta situação é descoberta no momento de maior necessidade da gravação. A melhor solução contra surpresas é a manutenção preventiva, realizada no mínimo uma vez por ano.

Disco Rígido

O disco rígido é um dispositivo eletromecânico, sendo afetado pela temperatura, vibração e flutuações na tensão de alimentação. Temperaturas acima de 40ºC e o uso de HDs “comuns” em aplicações de CFTV são o fator mais significativo para uma falha precoce. Para saber mais, leia nosso artigo: A Importância do HD em CFTV.

Condições Ambientais

As câmeras expostas em área externa podem sofrer danos pela exposição solar ou umidade. Selos, parafusos e prensa cabos frouxos podem permitir a entrada de água no involucro da câmera. A incidência de raios ultravioleta degradam a pintura e as peças compostas por plástico. Poluição e partículas associadas a água da chuva podem vir a sujar a lente da câmeras, reduzindo a qualidade geral da imagem.

Fonte de Alimentação

As câmeras normalmente utilizadas possuem uma tensão de alimentação na ordem de 12V ou 24V, sendo que a tipicamente a tolerância máxima é de ±10% do valor nominal. Flutuações de tensão para cima causam um aumento na geração de calor nos circuitos, reduzindo a vida útil. Já as flutuações para baixo resultam em uma imagem de qualidade inferior, aumento da corrente e possibilidade da câmera vir a se desligar durante a noite por causa dos uso da iluminação infravermelho.

Nobreaks e UPS

As fontes de alimentação ininterrupta devem ser testadas regularmente. As baterias com o tempo perdem sua capacidade de carga, resultando em uma redução da autonomia do sistema. Em caso de falha, há a possibilidade de aquecimento, fogo, fumaça e/ou vazamento de eletrólito. Durante a substituição, não é recomendável misturar baterias novas com velhas.

 

Alarme Monitorado ou Convencional?
Última atualização:

Alarme Monitorado ou Convencional?

O alarme antifurto tem como objetivo prevenir ou inibir que pessoas não autorizadas entrem em determinada área e horário. É composto pelos seguintes componentes: central de alarme, sensor de presença, sirene, botão de pânico e bateria. O alarme monitorado e o convencional possuem os mesmos componentes, tendo como diferença a tratativa após o disparo.
[column size=”one-third”]

[/column][column size=”two-third” last=”true”]

Convencional

No método convencional o alarme, quando disparado, está programado para discar até 6 números telefônicos previamente escolhidos pelo cliente. É recomendável que além do número celular do cliente, deve-se discar também os números telefônicos de parentes e amigos de confiança. Deixar claro que devem retornar a ligação para perguntar sobre as causas do disparo, tomando providencias caso necessário.[/column]

Monitorado

O conceito de monitoramento eletrônico é o envio de um sinal, por linha telefônica ou rede de celular, a uma empresa de monitoramento 24 horas quando ocorrer o disparo do alarme. A empresa irá ligar para o telefone do cliente e poderá ir presencialmente ao local para verificar a situação, podendo assim chamar a polícia se confirmada a invasão.
Como desvantagem desta solução, o cliente deverá contratar uma empresa de monitoramento que cobrará um valor mensal pela manutenção do serviço.

O que é CFTV?
Última atualização:

O que é CFTV?

É uma sigla que significa: Circuito Fechado de Televisão, também conhecido como CCTV do inglês: Closed-Circuit Televison. É o uso de câmeras para transmitir e gravar vídeo de um local específico com exibição restrita a alguns monitores. Diferente da televisão aberta pública, a transmissão do CFTV é privativa e limitada a pessoas autorizadas, por isto o nome Circuito Fechado.

Este sistema é aplicado para vigilância em áreas que precisem de monitoramento constante, sendo de grande auxílio na prevenção e controle da segurança patrimonial e pessoal. Entre as diversas aplicações, as principais são:

  • Prevenção da criminalidade
  • Monitoramento de estacionamentos
  • Detecção de movimento e presença humana
  • Auxílio aos sistemas de alarme antifurto
  • Gravação de unidades industriais e plantas de processo

Câmeras Analógicas

No Brasil o tipo de câmera predominante é a analógica. O sinal é transmitido por cabo coaxial blindado. O sistema de cores empregado é tanto o NTSC quanto PAL. As diferenças entre eles são:

ComparativoNTSCPAL
AbreviaçãoNational Television System CommitteePhase Alternation by Line
Linhas525625
Quadros por Segundo3025
Resolução Máxima640 x 480768 x 576

O sistema de cores PAL possui mais linhas e melhor estabilidade de cores, resultando em uma imagem superior. O NTSC tem como única vantagem possuir mais quadros por segundo. A UltraService recomenda o sistema PAL para câmeras analógicas.

Câmera IP

A sigla IP vem do inglês: Internet Protocol. É um tipo digital de câmera capaz de receber e transmitir dados por rede local de computadores (LAN) ou pela internet (WAN). O sinal é transmitido por par traçado utilizando cabo UTP ou STP quando se necessita de blindagem. A qualidade da imagem é superior às analógicas, sendo 720p (HD) a qualidade mínima do sensor. Há no mercado dois protocolos, ONVIF do inglês: Open Network Video Interface Forum e PSIA do inglês: Physical Security Interoperability Alliance. No Brasil e no Mundo o ONVIF é o protocolo mais utilizado.

A Importância do HD em CFTV
Última atualização:

A Importância do HD em CFTV

O disco rígido, conhecido também como HD, do inglês Hard Drive, é o componente mais critico do sistema de CFTV. A seleção de um HD depende de uma série de considerações cruciais, inclusive o tipo de carga de trabalho, os requisitos de capacidade, as necessidades de desempenho e as preocupações com a confiabilidade. No caso de aplicações de vídeo e vigilância, essas considerações são especialmente importantes para assegurar o alto desempenho e a durabilidade do sistema.

Carga de Trabalho e Confiabilidade

Os HDs comuns usados em computadores são projetados para operação de 8 horas por dia e 6 dias por semana. Diferente de um sistema de CFTV que trabalha continuamente, gravando 24 horas por dia e 7 dias por semana. O uso destes HDs comuns em DVR/NVR resultam em uma redução da vida útil com aumento da probabilidade de falha. A falha resultará em perda de toda a gravação já realizada e irá incapacitar o DVR/NVR que não poderá gravar mais nada.

Capacidade de Gravação

O sistema de CFTV irá sobrescrever os dados do HD quando o mesmo ficar cheio. Dependendo da quantidade de câmeras e sua qualidade de imagem, a gravação poderá durar meses, semanas ou apenas algumas horas.

Marcas Recomendadas

O mercado dispõe de HDs especiais para uso em CFTV, entre eles podemos citar:

  • Western Digital Purple
  • Seagate Surveillance
  • HGST CinemaStar